Professor Universitário. Advogado. Magistrado. Legislador. Muitas atividades que poderiam apontar o sentido da obra. Todavia, nenhuma delas por si só conferiria a dignidade que merecem o conjunto de artigos, estudos, palestras e acórdãos que provém do crítico incessante, incapaz de alienar-se dos debates sobre cultura e direito.

A autenticidade do pensamento de Sérgio Marcos de Moraes Pitombo consiste, pois, na característica de se perguntar sobre a realidade cotidiana e sobre o lugar e a relação que deveria manter com essa mesma realidade. Impossível, assim, afastar da interrogação a próprio existência e imagem que dele se conservam.

Entretanto, para a face do jurista, o exercício do questionar-se volta-se a um fim específico: a preservação dos direitos individuais, em especial, no âmbito do processo penal, matéria à qual se dedicou nos mais de trinta anos de vida acadêmica.

Trazer a público o todo da obra e, ainda, textos inéditos mostra-se a maneira justa de reverenciar o mestre do Largo de São Francisco. Aqui, no entanto, os objetivos extrapolam a simples homenagem, porque se voltam ao convite a leitores e estudiosos a permanecerem atentos às preocupações e pontos de vista que Sérgio Marcos de Moraes Pitombo defendeu.